Meu bebê já anda !!! E agora?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Meu bebê já anda !!! E agora?

Mensagem por paty ctba em Qua Maio 05, 2010 3:51 pm

Meu bebê já anda !!! E agora?

Com os primeiros passos inicia-se para o bebê um período de grandes mudanças, dado que agora é capaz de entender o mundo que está à sua volta a partir uma perspectiva mais ampla. Andar permite-lhe ver as coisas numa outra dimensão e desenvolver a sua imaginação a partir de planos diferentes. Nesta etapa, andar é um dos sinais de maturidade mais importantes, juntamente com o sono noturno. A partir deste momento, o bebê pode deslocar-se pelos seus próprios meios e chegar a todas as partes dentro e fora de casa. As mais inofensivas e também as mais perigosas. O bebê movimenta-se por todos os lugares a que tem acesso: não ficarão de fora o quarto, a cozinha, os corredores, as varandas ou qualquer outro lugar escondido da casa. Também atrairão a sua atenção os objetos que encontra no seu caminho, pois em cada criança existe um explorador inato, especialmente se ela se sentir capaz de bisbilhotar sozinha. Movida pela curiosidade de explorar um mundo novo que acaba de descobrir, aquilo que até há alguns dias lhe era impossível, já não o é: as coisas que vê ao longe já não lhe são inacessíveis. Alguns passinhos mais rápidos, e já está!

Limites, sim ou não?

Geralmente, quando o bebê começa a andar, a mãe não para um segundo só para olhar onde está, no que toca, ou o que faz. Sente que tem de se transformar num polvo para poder contê-lo. No entanto, muitas mamães duvidam se devem ou não reprimir este espírito explorador; dito de outra maneira, se devem impor-lhe limites. E a resposta é sim. Porque existe a possibilidade de que a criança se magoe ou ponha em sério risco a sua saúde (e inclusivamente a sua vida). Nesta fase, prevenir é o objetivo principal e a função dos limites é proteger o pequeno de lesões e traumatismos sérios. É verdade que é difícil impor limites de forma rápida, mas lembre-se de que o fundamental é prevenir. Se o pequeno está a mexer em alguma coisa que não deve e ouve um "Não" rotundo, depressa perceberá quais as coisas que pode fazer e quais não pode. As grandes explicações, tipo sermão, não servirão de muito, mas é bom explicar-lhe o porquê, obviamente na medida em que a criança possa compreendê-lo. Se mantiver esta postura, em pouco tempo compreenderá.

Descalço ou com sapatinhos?

Quanto ao calçado, o ideal para esta etapa é que seja confortável; que lhe permita andar pela casa sem o impedir de mover livremente os pezinhos. Para andar dentro de casa esqueça os sapatos rígidos e as botinhas. Os sapatinhos com sola de pele de carneiro ou de ovelha são os mais aconselhados, já que além de prevenir as escorregadelas, permitem uma total liberdade de movimentos e protegem os pés. A maioria das crianças adora andar descalça, e, embora se torne mais confortavel e seguro para o movimento, desta maneira não terão qualquer proteção contra um alfinete, inseto ou lasca de madeira que possam encontrar no chão, nem tão pouco no caso de pisar um brinquedo rígido ou de embater em algum móvel e ferir os dedinhos. Além disso, se o chão estiver frio (mármore, cerâmica, mosaico) também não lhe fará muito bem.

A casa e os seus perigos

É errado pensar que esta ou aquela parte da casa é perigosa, e as outras são seguras. Embora seja na cozinha onde se encontram os elementos cortantes, toda a casa representa um perigo para o bebê. O pequeno deixa-se levar pela curiosidade, e o risco está presente, tanto no banheiro como na mesinha de apoio na sala. Por isso, é necessário fazer algumas alterações para adaptar a casa à nova condição que o bebê adquiriu. Mas para além de proteger as antiguidades da avó que estão na sala de jantar, estas modificações tornam-se úteis para proteger o bebê de tudo aquilo que poderia pôr em perigo a sua saúde. Não esqueça que os acidentes do lar representam entre 60 e 70 por cento dos acidentes mais graves – traumatismos cranianos, contusões severas, eletrocussão, acidentes com eletrodomésticos – quando o pequeno tem entre um e seis anos.

Mas, que alterações é necessário realizar?

Tudo o que estiver ao alcance do bebê deve colocar-se mais acima: desde os porta-retratos e cinzeiros, até às decorações que estão na mesinha de apoio. Se não fizer, é possível que dentro de pouco tempo todos eles fiquem feitos em pedaços, e atenção – ao partir-se, o bebê poderia ferir-se. O ideal é que a família inteira atue antecipadamente, já que a maioria dos acidentes em casa são totalmente previsíveis. Fazendo um percurso pela casa, é possível identificar os lugares e objetos aos quais é necessário dedicar uma especial atenção.

A cozinha

A cozinha é o local onde, além de preparar as refeições, também se guardam os instrumentos cortantes (facas, robots de cozinha, etc.). Todos estes objetos devem colocar-se em armários altos ou em armários que possam fechar-se, para impedir que o bebê possa abri-los pelos seus próprios meios. Quando estiver cozinhando, convêm que acenda os bicos da parte de trás do fogão. Isto evitará que – mesmo que se ponha em pontas dos pés – a criança ponha um dedinho no lume ou agarre em alguma panela ou frigideira, cujo conteúdo poderia cair-lhe em cima e provocar-lhe sérias queimaduras. Quanto ao forno, embora existam fechos especiais que impedem a sua abertura, o ideal é que quando estiver ligado, o bebê esteja fora da cozinha, já que o simples contato com a porta ou as paredes do forno pode provocar-lhe queimaduras.

A sala de jantar

Na sala de jantar, o maior perigo são as mesas de vidro ou de mármore que se apoiam sobre dois pilares: os bebês podem pendurar-se no tampo, que pode cair-lhes em cima e provocar-lhes sérios traumatismos no crânio ou no tórax. Se tiverem cantos ou arestas, as mesinhas de apoio também são perigosas, uma vez que o bebê pode ferir-se se cair sobre elas ou se embater de frente. Para prevenir acidentes, existem proteções de borracha ou silicone que se colocam nos cantos dos móveis, e, em caso de golpe, evitam que o bebê se magoe. Nunca permita que o bebê suba para os sofás ou outros móveis. Lembre-se que quanto mais alto for o lugar, maior será o tombo e portanto maiores serão as consequências. Coloque num lugar elevado todos os objetos decorativos que existem na sala de jantar. É melhor prevenir do que lamentar.

O quarto

No quarto, um dos perigos é a cama. Quando o bebê é muito pequeno, pode rolar e cair ao chão. Quando é um pouco maior, a cama converte-se num trampolim encantador. Por isso, não permita que as crianças saltem em cima da cama. Se em cima da cômoda costuma colocar perfumes e cremes, chegou o momento de guardá-los em outro local, pois o pequeno poderia ingeri-los.

O banheiro

O banheiro é um dos locais prediletos dos bebês: o vaso sanitário parece possuir um atrativo mais que especial, quer seja para "lavar as mãos", ou para atirar brinquedos pequenos, com o consequente problema doméstico que isto implica. A tampa do vaso sanitário deve estar sempre fechada (existe um fecho que não permite abri--la). Mas cuidado: deixe a porta da casa de banho fechada, pois com a tampa do vaso sanitário fechada converte-se num excelente banquinho para subir. Ao mesmo tempo, nunca guarde medicamentos nem produtos de beleza ao seu alcance, pois muitos deles são tóxicos, e não convêm deixá-los onde os encontrem.

Varandas, pátios e jardins

Tanto a varanda como as janelas devem ter sempre proteção metálica ou de rede. Se gosta de jardinagem e tem em sua casa plantas variadas, confirme com um especialista se alguma delas é venenosa. Se for assim, retire-a. O estado dos vasos deve ser verificado, já que muitos, especialmente os de barro, desenvolvem fungos que poderão ser nocivos para o bebê. Se a casa tem piscina, deve estar cercada por uma rede com um metro de altura. Uma queda acidental poderia ser fatal. As cancelas que se utilizam para fechar escadas são ideais para limitar o acesso a pátios, jardins, e lugares que poderão ser perigosos para o seu filho. São em plástico e têm uma altura aproximada de um metro, e adaptam-se à largura de todas as aberturas.

Produtos, um perigo

Um capítulo à parte merecem os medicamentos e produtos de limpeza, que no caso de serem ingeridos pelo bebê poderiam causar-lhe uma grave intoxicação, às vezes irreversível. Se costuma guardar os artigos de limpeza num armário de chão ou na parte debaixo da lava-louça, não demore em mudá-los de local. E o mesmo é válido para os medicamentos ou artigos de beleza que estão guardados no armário do banheiro ou num lugar de fácil acesso para o seu filho. O ideal é colocar tudo fora do alcance do pequeno, em armários altos e com chave (lembre-se de não deixar a chave na fechadura, para que o pequeno não possa abrir o armário). Certamente, depois de ler estas recomendações, não vai pensar que deve retirar o bebê de sua casa. Simplesmente deverá tomar os cuidados necessários para que a casa se converta num lugar seguro onde o seu filho brinque e desfrute.

__________________________________________

contato: patricia.f.p.martins@hotmail.com
avatar
paty ctba
Mega Star
Mega Star

Mensagens : 1237
Reputação : 32
Data de inscrição : 26/04/2010
Idade : 29
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum